Tão Só


Sozinha, mas tão só que não tenho nem se quer a minha própria companhia. Coração apertado, vontade insaciável de chorar, com se estivesse algo me sufocando, gostaria de um abraço, de um olhar talvez, que sábado longo, que novembro longo. Sensações estranhas, sonhos confusos e distantes, vontades bagunçadas, quero tudo, quero mais nada, desejo de me apaixonar da mesma intensidade e inocência de anos atrás. Dormir um pouco deveria resolver essa vasta solidão, mas, não é tão simples assim, não é tão fácil assim, quero colo, quero ser carente pelo menos por hoje, por agora, carência de vez em quando faz bem, só pra sair do óbvio, só para sair da pose de durona, só pra amar um pouco. Ser feliz até enjoar de tanta felicidade, se é que isso é possível. Eu, você, ele, ela, nós, outros, aqueles, todos, aqui agora, aqui pela eternidade, pedindo para o tempo calma, pedindo para o tempo mais tempo.
Preciso de muitas companhias mas, preciso principalmente mais de mim mesma.

2 comentários:

  1. Muito bom seu blog, Sarah... continue a desenvolve-lo com bastante entusiasmo!!! Parabéns
    Também tenho um blog, visite-me: http://www.sociedadeambulante.com

    ResponderExcluir
  2. Que lindo texto Sarinha *-* achei tão a minha cara !

    ResponderExcluir